sexta-feira, 7 de abril de 2017

Diálogos aporéticos (02) - Imperativo

Edvard Munch - Cupid and Psyche (1907)

- Que horas são?
- É tarde, despacha-te.
- Perguntei-te as horas, dispenso ordens.
- Ordens?
- O despacha-te soou-me a imperativo.
- Estamos atrasados, não vou discutir pragmática da língua.
- Estamos? E queres discutir o quê?
- Nada. Estamos atrasado, já disse.
- Já disseste. Agora, o que dizes passa a ser uma autoridade. É isso?
- Por amor de Deus…
- Deixa a religião fora destas coisas.
- É uma maneira de…
- … dizer. É sempre o mesmo.
- O mesmo?
- Falta-te imaginação, repetes-te, só lugares comuns. É uma maneira de dizer, repete lá.
- A sério, não deixam entrar depois do concerto começado.
- Não deixam? Mas quem pensam eles que são?
- Não é perm…
- Cala-te! Agora tens procuração da organização?
- Despacha-te!
- Cala-te!